Mário Chan

Lembro-me da primeira vez que peguei numa máquina fotográfica. Estava na Islândia, tinha 12 anos e apenas queria registar uma imagem que não queria esquecer.
Poder registar aqueles momentos únicos, que por vezes perdemos da nossa memória, sempre foi o grande motivo do fascínio que sinto pela fotografia e pelo vídeo. E fazendo parte da minha vida, no registo das atividades de lazer e dos momentos com a família e os amigos, acabou por ser muito natural a adoção como atividade profissional.

A formação em Engenharia Física e a licenciatura em Música deram-me bases fundamentais para o controlo dos equipamentos e para a influencia em tudo o que produzo. Compreendi a importância da associação harmoniosa e coerente da melodia ao vídeo e o relacionamento de cada imagem com a linha temporal, trazendo coesão à obra como um todo. Com a prática percebi que cada momento é único e, quando combinado com outros momentos de uma forma fluida e lógica, proporcionam algumas das melhores experiências visuais e auditivas que se podem ter.

Permita-me que partilhe consigo esta paixão.